Buscar
  • Fernando Borges

Crise Criativa | Por Isabella Campos



Um monstro que atormenta pelo menos uma vez na vida de todo artista, não que eu te deseje, mas sim, é possível que ele esteja presente em algum dos seus pesadelos.

O importante é respirar, permitir-se passar por esse dia ruim e lembrar-se de acordar, sonhar, mas acordar.

Crises criativas são bloqueios, travas que nos impedem de continuar produzindo nossa arte.

O que às vezes pode ser sufocante, uma vez que nossa fotografia é nossa forma de expressão, de colocar pra fora tudo que é grande demais e precisa ser transbordado.

Sentimento de implosão, uma bomba relógio prestes a nos destruir a qualquer momento, o tempo passando e a ansiedade e angústia à beira da loucura.

Mas não seria a loucura, a ansiedade, a angústia e todo esse sufoco a resposta para toda essa tal crise ?

Toda tempestade tem sua calmaria, toda ação tem um aprendizado, um depois.

Acredito eu, que uma crise é um grito de respiro, de reinvenção.

Acredito eu, no vazio, que o vazio é tudo. Afinal, vazio é um espaço pronto para receber o novo.

Metamorfoses é a fase eterna em que nos encontramos, nos permitirmos repensar nossos gostos, nossos caminhos, nossos propósitos é algo necessário, é favorável ao nosso crescimento pessoal e artístico.

Não mais encare como crise criativa, mas como oportunidade de REINVENÇÃO.

E uma oportunidade a gente não dispensa, não é mesmo ?

O que quero dizer é que não nos basta nos deixarmos ser envolvidos e levados ao poço da estagnação por essa crise.

A alquimia da crise criativa ao novo é algo que depende totalmente da nossa força de superação, de encontro ao otimismo em meio ao pessimismo.

Não pulemos etapas, viver o ócio, viver a crise, faz parte, mas jamais encontrar conforto em qualquer uma delas.

Avante, adiante, para frente, próxima parada!

Levantar, quebrar a cabeça, e não desistir até que algo saia de dentro de nossos corações, algo que seja nosso, nossa fase, nosso amor e também nossa dor.

Somos feitos de ciclos, como flores. Floresça como o artista que é.

Escreve alguém aqui em crise criativa, em metamorfose, em vazio, em tudo.


124 visualizações